Chaos or order?

Publicado em: 01/10/2019

A ordem nunca teve contornos tão imprecisos, a segurança nunca foi tão instável. Por trás de aparentes períodos de estabilidade, o cenário se reconfigura e ganha novas formas de tal modo que somos impulsionados incessantemente à mudança. Mas como sobreviver?

Do cenário macroeconômico ao concorrente que lança uma oferta mais atraente que a sua, as empresas enfrentam inúmeros desafios no seu dia a dia. Inflação, redução no consumo, mudanças legais, perda de colaboradores, dificuldade na retenção do conhecimento, enfim, são inúmeras batalhas travadas pelas organizações rumo ao alcance de seus objetivos.

No princípio, tudo era escuridão

O desconhecimento e descontrole organizacional, seja causado pela ausência de planejamento ou pela falta de formalização dos processos, é um fator relevante na produção do caos.

A ausência de indicadores e metas relevantes para o negócio e de formulação de uma estratégia competitiva contribuem para que a empresa navegue sem um rumo definido, sem a clareza dos objetivos que deseja alcançar. Como consequência, encontrará dificuldades em alinhar sua operação e extrair dela os melhores resultados.

A busca por culpados e dificuldade na resolução de problemas também é inerente ao caos. A falta de formalização dos processos dificulta a análise de causas de problemas e sua solução, a adequada alocação de recursos e o monitoramento dos resultados pretendidos. Também prejudica o ingresso e integração de novos colaboradores, já que o conhecimento da organização está apenas na cabeça de quem executa as atividades, inexistindo registros documentais.

E a luz se fez

Com o passar dos anos, a empresa verifica que poderia ter melhores resultados se focasse realmente no que importa. Isso desperta a necessidade de rever a forma como as atividades são executadas e de criar alternativas para que os resultados sejam monitorados.

Um dos instrumentos bastante utilizados para impulsionar a ordem é o planejamento estratégico. Ele permite refletir sobre forças e fraquezas existentes no ambiente interno e as oportunidades e ameaças trazidas pelo meio externo. Como resultado, uma estratégia é desdobrada em objetivos, monitorados por indicadores e metas relevantes e que poderão auxiliar na avaliação do progresso da organização.

A gestão por processos também tem lugar de destaque na construção da ordem. Conhecer os processos da empresa, de ponta a ponta, do fornecedor até o cliente, ajuda a dar uma visão geral e permite focar os projetos de melhoria no que agrega mais valor para o cliente. Indicadores e metas operacionais, estabelecidos para cada processo, ajudarão a alinhar a operação à estratégia e, por consequência, controlar melhor os resultados.

A constante transformação

É necessário ter em mente que a evolução precisa ser incorporada à rotina de todas as empresas, de forma a garantir sua sobrevivência. Isto significa empreender, de forma contínua, os projetos de melhoria, já que ao mesmo tempo em que a empresa vem promovendo o aperfeiçoamento de sua gestão e operação, o mercado e as variáveis externas seguem em paralelo, reforçando o caos e a desordem.

Por isto, sustentar o ritmo da transformação é fundamental para a evolução das organizações. Manter o planejamento atualizado e o constante aperfeiçoamento dos processos internos é uma boa forma de estar pronto para todas as mudanças impostas pelo ambiente externo, e manter a ordem necessária para a adequada operação do negócio da organização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *